top of page

Sistema falha, atletas repetem final e ouro muda de mãos no Mundial

Globo Esporte


Australiano não acredita que perdeu ouro após ter vencido a prova — Foto: Reprodução


O australiano Alan Cooper, de apenas 18 anos, comemorou o título mundial dos 50 metros costas, mas a festa durou poucos segundos. Competindo em casa, o torneio está sendo realizado em Melbourne, na Austrália, Alan viu a prova ser cancelada por conta de um erro da máquina que faz o disparo para a largada dos atletas. A competição foi realizada novamente uma hora depois e o americano Ryan Murphy levou o ouro, deixando Alan com o vice-campeonato.

Na largada da prova, o alarme que autoriza os atletas a iniciarem a disputa foi tocado várias vezes por conta de um problema técnico. Três competidores ouviram o som estranho e pararam de nadar antes dos vinte metros de prova, enquanto cinco seguiram a competição até o final. O vencedor, desta prova que não valeu, tinha sido o australiano Alan Cooper, inclusive batendo o recorde mundial júnior.

Alan tocou na parede, esboçou uma comemoração, mas logo percebeu que algo não tinha ocorrido dentro da normalidade. Durante dois minutos, os atletas na água não sabiam o que fazer, mas o resultado não foi oficializado. Eles saíram da água sem uma definição sobre como a prova seria decidida. Minutos depois, a organização soltou um comunicado dizendo que a decisão da medalha seria realizada uma hora depois.

Os atletas tiveram tempo para descansar, se reaquecer e voltaram para a disputa. A apresentação foi feita novamente como se a final fosse realizada pela primeira vez. Aí, a medalha de ouro ficou com o americano Ryan Murphy com 22s64, seguido pelo australiano Alan Cooper, que tinha vencido a prova que não valeu. Na nova disputa, anotou 22s73, tempo acima dos 22s52 que havia feito uma hora antes.

O Campeonato Mundial de natação em piscina curta começou nesta terça-feira, em Melbourne, e seguirá até domingo, sempre com transmissão ao vivo do sportv 2 às 5h30. O evento é realizado a cada dois anos e tem uma diferença com relação às competições disputadas nas Olimpíadas. O Mundial de curta é realizado em piscinas de 25 metros, enquanto nas Olimpíadas a competição é em piscina de 50 metros. Com a piscina menor, é necessário fazer mais viradas em cada distância, deixando os fundamentos de impulso na parede e nado submerso ainda mais importantes.


BRASILEIROS


No revezamento 4x50m livre misto, com equipes compostas por dois homens e duas mulheres, a seleção ficou em oitavo lugar. O quarteto formado por Lucas Peixoto, Pedro Spajari, Stephanie Balcuccini e Giovanna Diamante fez o tempo de 1m32s17. O ouro foi para a França, a prata ficou com a Austrália e o bronze com a Holanda.

Caio Pumutis nadou a final dos 200m peito e ficou em oitavo lugar após ser desclassificado por conta de um pernada ilegal. Nessa prova, o campeão foi o japonês Dayia Seto, com 2m00m35s.

Os três principais nomes da natação em piscina do Brasil na atualidade optaram por não competir no Mundial. Os medalhistas olímpicos Bruno Fratus (50m livre) e Fernando Scheffer (200m livre), e o medalhista no Mundial em piscina longa Guilherme Costa(400m livre) não estão na delegação nacional.

7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page