top of page

Segurança Pública terá acesso inédito a sistemas da PF para combater fraudes bancárias e pedofilia em Goiás

Excelência Notícias


Caiado assina acordo inédito com PF para troca de informações com foco no combate à lavagem de dinheiro e pedofilia [Foto: Rômulo Carvalho]


O Governo de Goiás e a Polícia Federal anunciaram, nesta segunda-feira (1º/7) em Goiânia, a assinatura de um Termo de Cooperação Técnica para o combate a fraudes bancárias e abusos sexuais contra crianças e adolescentes (pedofilia) através da internet, no Estado.


“Goiás foi o primeiro a firmar esse acordo. Teremos aqui um plano piloto que irá se reproduzir nos demais estados da federação. Estamos fortalecendo a repressão para mostrar para o país que é possível dar tranquilidade para nossos jovens. É inadmissível que crianças sejam expostas”, disse o governador Ronaldo Caiado (UB), durante a solenidade na capital.


SISTEMAS – Serão compartilhados dois sistemas: o o ‘Rapina’ distribui informações para o combate ao abuso sexual infantil por meio da internet, enquanto o ‘Tentáculos’ é focado no combate a fraudes bancárias.


O governador destacou que Goiás já atua fortemente na apreensão de drogas e, agora, as fraudes financeiras serão ainda mais dificultadas. “O sistema Tentáculos vai nos dar novas habilidades para combater fraudes bancárias, a prática de ‘esquentar’ dinheiro”, disse o governador.


A partir de agora as forças de segurança federal e estadual podem desenvolver projetos e ações de interesse comum, oferecer treinamento de recursos humanos, além de desenvolver e compartilhar tecnologias, informações e recursos de informática.


A superintendente da Polícia Federal em Goiás, Marcela Rodrigues, o acordo feito entre União e Estado de Goiás terá impactos na criminalidade praticada no âmbito físico e virtual, não apenas no Brasil.


“Considero que essa cooperação vem da confiança mútua. Se as forças de segurança pública de Goiás não tivessem credibilidade, talvez não estaríamos recebendo ferramentas de extrema importância”, observou o secretário estadual de Segurança Pública, coronel Renato Brum.


Ele explica que os sistemas terão impacto diretamente no trabalho da Polícia Civil, aumentando a capilaridade das ações. Para a execução do acordo de cooperação técnica não haverá transferência de recursos financeiros ou doações de bens. Cada corporação responde pelos seus investimentos conforme a capacidade orçamentária.

5 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page