top of page

Sampaoli vive isolamento total, mas resiste à eliminação do Flamengo

Globo Esporte


"Clima de velório" virou expressão-clichê no Flamengo de 2023. E o pós-eliminação contra o Olimpia foi exatamente dessa forma, com semblantes fechados, pouca conversa e o agravamento de uma situação que se tornou corriqueira: o distanciamento entre Jorge Sampaoli e jogadores.

Apesar da relação fria com o elenco e do desempenho bem abaixo do esperado, a posição de momento da diretoria é manter Sampaoli. O comando do futebol do Flamengo entende que o momento ruim não é responsabilidade exclusiva do treinador e aponta para a queda de produção e para a postura passiva de jogadores importantes do elenco.

Dentro do elenco, há grande insatisfação com a forma como Sampaoli se relaciona com os atletas. O grupo e alguns dirigentes consideram que o treinador tem dificuldade para gerir crises, tendo como exemplo mais extremo disso o caso do soco do ex-preparador físico Pablo Fernández em Pedro. A neutralidade no episódio em que um atleta foi agredido afastou ainda mais jogadores do comandante.

Por outro lado, há jogadores que gostam dos treinamentos de Jorge Sampaoli. Dentro do comando do futebol, há quem diga que os métodos adotados pelo argentino durante as atividades são os melhores desde a saída de Jorge Jesus, em 2020. Existe, aliás, quem considere o treinamento de Sampaoli até superior ao de Jesus.

Depois da derrota, Sampaoli esteve distante do grupo o tempo todo. Preferiu fechar-se com a comissão técnica. Um dos integrantes dela, o auxiliar Cristian Arán, que o substituiu à beira do campo após a expulsão, sentou-se num sofá ao chegar no hotel, e com olhos vermelhos, mostrou-se muito abatido.

12 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page