top of page

Operação prende agropecuarista e outros cinco suspeitos de produzir, vender agrotóxicos falso

Delegado conta que chefe do grupo levava vida de luxo em Goiânia. Produtos eram vendidos abaixo do valor de mercado com a finalidade de lavar dinheiro; Esquema atuava em SP, MG, BA, PR e MT.


G1-Goiás

Policiais fizeram buscas em loja agropecuária em operação contra falsificação de agrotóxicos — Foto: Divulgação/PCGO


Uma operação prendeu em Goiás seis suspeitos de produzir, vender e distribuir agrotóxicos falsificados em cinco estados brasileiros. Segundo a Polícia Civil, o chefe do grupo é um grande agropecuarista e os produtos eram vendidos com preço abaixo do valor de mercado com a finalidade de lavagem de dinheiro.


As investigações tiveram início em 2022, a partir de apreensão de defensivos agrícolas em Goiás. Os mandados de prisão e busca e apreensão foram cumpridos em Goiânia, Hidrolândia, Nerópolis, Abadia de Goiás, Turvânia, Itumbiara e Abadiânia, além de cidades em São Paulo, Bahia, Paraná e Mato Grosso.


"O chefe recrutava, por meio de outras pessoas, pessoas de baixa renda para serem donos de empresas, como laranjas", disse o delegado responsável pelo caso, Marcos Gomes.

O delegado contou que o fazendeiro levava uma vida de luxo em Goiânia, onde foi preso, possuindo inclusive um avião, usado para visitar fazendas. A polícia achou agrotóxicos falsificados em vários depósitos que seriam ligados a ele.


Esquema

A polícia apurou que o grande fazendeiro colocava os outros suspeitos para abrir empresas de fachada em nome de "laranjas". Ao todo, a PC identificou ao menos 30 pessoas que faziam parte do esquema, e muitos tinham baixo poder financeiro.


Após cumprimento dos mandados, foram apreendidos valores em espécie e uma arma de fogo, além de informações e documentos que colaboram com as investigações.


Ainda conforme o delegado explicou, o caso segue em andamento com a finalidade de identificar novos integrantes do esquema.

67 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page