top of page

Cuidadora é presa suspeita de dar golpes de mais R$ 700 mil em três idosas da família

Segundo a Polícia Civil, ela chegou a vender um apartamento de uma das idosas que custava R$ 1 milhão, mas ao ser descoberta devolveu R$ 440 mil para família. Casos aconteciam há quatro anos.




G1-Goiás

Cuidadora é presa suspeita de dar golpe de mais R$ 700 mil em três idosas da família, em Goiânia, Goiás — Foto: Polícia Civil/Divulgação



A cuidadora Samara Alves de Andrade, de 25 anos, foi presa suspeita de dar golpes que somam mais R$ 700 mil em três idosas da própria família, com idades entre 91 e 98 anos, em Goiânia. Segundo a Polícia Civil, ela chegou a vender um apartamento de uma das idosas que custava R$ 1 milhão, mas ao ser descoberta devolveu R$ 440 mil para família.


À polícia, ela disse que realizou as transferências, mas que iria devolver os valores para a família, mas em depoimento, entrou em contradição em relação crime.


Duas das vítimas são tias de Samara e a outra é cunhada de uma das tias dela. A Polícia Civil disse que ela chegou a comprar um carro de luxo, um Honda HR-V, à vista que foi apreendido. A prisão aconteceu na última segunda-feira (8) na operação Falsus da Delegacia Especializada no Atendimento a Pessoa Idosa (Deai) que teve apoio da Polícia Militar.


As investigações começaram no dia 4 de janeiro deste ano após uma sobrinha das vítimas denunciar à polícia que elas haviam sofrido golpes da cuidadora. Os casos aconteciam há quatro anos.


Como vítimas eram enganadas


Segundo o delegado responsável pela investigação do caso, Alexandre Bruno de Barros, a investigada trabalhou na casa da primeira idosa por mais de dois anos e tinha a confiança dela a ponto de ser autorizada, por meio de procuração pública, a movimentar as contas bancárias dela.


"Ela transferia os valores para conta dela e também para conta de terceiros, neste último caso, vamos investigar se essas pessoas sabiam desses valores. Inclusive, existem outras vítimas e por isso a divulgação das fotos dela está autorizada", disse o delegado.


A idosa era servidora pública federal aposentada, não era casada e não tinha filhos. Ela morreu há dois anos por causas naturais. Segundo a polícia, a idosa era equilibrada com os gastos e tinha um patrimônio. Ciente da situação, a suspeita passou a fazer diversos desvios de sua conta.


A família só descobriu os desvios após a morte da idosa quando houve a partilha de bens. O delegado contou que a suspeita era uma boa cuidadora e que a família gostava do seu trabalho. Com isso, a jovem acabou sendo contratada para cuidar de outra idosa que é surda e irmã da vítima falecida.


No dia 5 de janeiro, no seu primeiro dia de trabalho, a suspeita já tinha posse do cartão bancário da segunda vítima e realizou um saque de R$ 2 mil, mas neste momento ela já estava sendo monitorada pela Polícia Civil.


Além das duas vítimas, ela também trabalhou na casa da cunhada de uma das idosas e também fez transferências. O prejuízo foi de R$ 40 mil.


Se indiciada e condenada, ela pode responder por estelionato e exploração financeira contra idosos. A pena pode chegar a mais de 10 anos.






50 visualizações0 comentário
bottom of page