top of page

Clubes elevam tom contra gramado sintético, e CBF quer consultoria internacional para estudo

Fenapaf e Fluminense levantam pauta contra campos artificiais, Botafogo e Palmeiras rebatem. Tema vai ser estudado na Comissão Nacional de Clubes ao longo do ano de 2024




GE




Em reunião virtual dos clubes com a CBF, a pauta gramados sintéticos voltou ao debate. Com apenas Athletico, Botafogo e Palmeiras sem gramados naturais, os clubes aumentaram o tom para veto no futuro deste tipo de campo.


Não há qualquer possibilidade de proibição no curto prazo, mas a CBF convocou a Comissão de Médicos para se debruçar sobre o tema com a Comissão Nacional de Clubes - eleita ontem com Atlético-GO, Fluminense, Fortaleza, Internacional e São Paulo na Série A - e também prometeu contratar consultoria internacional para estudo mais profundo do caso.


O tema foi levantado primeiro pela Fenapaf, através do presidente Alfredo Sampaio, que era contra o aumento de estrangeiros e também o gramado sintético. Mario Bittencourt, presidente do Fluminense, acompanhou o discurso. A discussão passou por vários clubes contrários ao campo artificial. Tanto pela questão de lesões quanto por perfomance esportiva.


Representantes do Palmeiras, a presidente Leila Pereira e o vice Paulo Buosi contestaram os clubes que defenderam o veto de grama sintética. O Botafogo também se manifestou a favor dos campos artificiais. Os clubes argumentaram que seus atletas apresentaram menos lesões do que os adversários que jogam em campos naturais.


Os palmeirenses, que também foram representados pelo capitão Gustavo Gomez, também lembraram que no campo sintético os resultados, por exemplo, contra Flamengo, Fluminense e São Paulo - três enfáticos críticos do gramado - são piores do que eram antes na grama natural. E manifestaram preocupação com campos de todas superfícies, naturais ou sintéticas.


A Comissão de Médicos da CBF já estuda o tema e apresentou, sumariamente, os últimos trabalhos a respeito do assunto. Não considera que são conclusivos.


Citou-se o exemplo do futebol na Arábia Saudita, onde se constatou mais lesões em gramados naturais. Outro, produzido por finlandês que coletou dados pelo mundo, não indicava alterações importantes, com até menos em campos sintéticos. Ainda um outro relatório tratava de mais lesões em tornozelo e no pé, mas no restante dos casos números bem semelhantes.


A CBF quer chegar à sua própria conclusão, com base nas avaliações dessa consultoria internacional e também da Comissão de Médicos. O objetivo é ainda levar o máximo de informação para debate na Comissão Nacional de Clubes - ainda serão eleitos representantes nas Séries B, C e D.


6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Fórmula 1 divulga calendário de 2025 com 24 corridas

A modalidade manteve o mesmo número de corridas de 2024 para o calendário do ano que vem. Veja a partir de quando a temporada começa Metrópoles A Fórmula 1 confirmou o calendário de 2025 com 24 etapas

コメント


bottom of page