top of page

Cientistas acreditam que supertempestade solar pode gerar ‘apocalipse na internet’ na próxima década

Pesquisadores da Universidade George Manson e o Laboratório de Pesquisa Naval dos EUA querem criar sistema para alertar a população antes que as partículas solares alterem o campo magnético terrestre


Mais Goiás

(Foto: Reprodução)


Cientistas emitiram alertas sobre uma supertempestade solar, que pode gerar um “apocalipse” na internet por meses. Segundo especialista, explosões solares fazem a ejeção de massa coronal (EMC) em direção à Terra, que interferem no campo magnético do planeta.


O pesquisador Peter Becker participa de um projeto com a Universidade George Manson e o Laboratório de Pesquisa Naval, nos Estados Unidos, que objetiva criar um sistema para alertar a população cerca de 18 horas antes que as partículas solares comecem a alterar o campo magnético terrestre.


Ele explica que, em uma EMC, ocorrem grandes erupções de gás ionizado a alta temperatura, que são gerados na coroa solar. Quando o gás atinge o campo magnético terrestre, tempestades geomagnéticas podem ser causadas, o que prejudica os meios de comunicações e as estações elétricas.


— A internet atingiu a maioridade durante uma época em que o Sol estava relativamente calmo. Agora, ele está entrando em uma época mais ativa. Esta é a primeira vez na história da humanidade que houve um aumento da atividade solar com tamanha dependência da internet — diz o professor à Fox Weather.


O cientista esclarece que uma supertempestade solar já aconteceu anteriormente, em 1859. Atualmente, com a dependência econômica da população da internet, Becker acredita que a ejeção de massa coronal pode gerar um período caótico, já que rede elétrica, satélites, GPS e equipamentos de comunicação ficam vulneráveis.


— No Evento de Carrington, faíscas literalmente voaram das linhas telegráficas. Alguns operadores foram eletrocutados, porque os fios carregavam alta tensão. Isso não deveria acontecer, mas as variações do campo magnético tornaram-se tão fortes que quase viraram um gerador. Agora, a CME poderia realmente fritar os sistemas por várias semanas a meses, e toda a infraestrutura vai precisar ser reparada — explica Peter Becker.


Como proteger os aparelho eletrônicos


Peter Becker prevê que o atual ciclo solar aumente e atinja o pico em 2024. Segundo o pesquisador, há cerca de 10% de probabilidade de que, na próxima década, “algo realmente grande aconteça e possa acabar com a internet”.


Becker e uma equipe de cientistas realizam a observação do sol e fazem a análise do brilho do corpo celeste. Elas chegam à Terra em 8 minutos, o que, segundo ele, marca uma possível interrupção do campo magnético entre 18 e 24 horas. Para o cientista, o aviso é essencial para que os aparelhos sejam desligados e não fritem.


— Há coisas que podem ser feitas para mitigar o problema, e o alerta é um deles. No longo prazo, estamos falando sobre um fortalecimento da internet, o que é um desafio econômico, e o projeto funcionaria como uma apólice de seguro. Você pode nunca precisar isso, e custaria trilhões para realmente fortalecer o sistema — conta.

9 visualizações0 comentário

Kommentare


bottom of page