Mon, 26 de Oct de 2020

Doria quer começar vacinação contra coronavírus em dezembro

Trunfo político do tucano, imunizante chinês teve efeito colateral leve só em 5,3% de 50 mil voluntários

23/09/2020 18h27
Mais Goiás

A Coronavac, imunizante contra a Covid-19 criado pela chinesa Sinovac e que será produzida em conjunto no Brasil pelo Instituto Butantan, se mostrou segura em seu teste da chamada fase 3 em 50 mil voluntários na China.​​

Os dados foram adiantados pela Folha e apresentados nesta quarta (23) pelo governador João Doria (PSDB), o diretor do Butantan, Dimas Covas, e um representantes da farmacêutica chinesa.

Já os resultados sobre a eficácia, que nas fases anteriores foram considerados satisfatórios, devem estar prontos em novembro. Se esse cronograma se mantiver sem percalços, a expectativa no governo paulista é de uma liberação para vacinação na segunda quinzena de dezembro.

Segundo o estudo chinês, houve apenas 5,36% de efeitos colaterais nos participantes do ensaio, todos sem gravidade: dor no local da aplicação (3,08%), fadiga (1,53%) e febre leve (0,21%). Os restantes tiveram perda de apetite, dor de cabeça e febre.

“A segurança e eficácia são dois dos principais fatores para comprovar se uma vacina está pronta para uso emergencial na população. Estamos muito otimistas com os resultados que a Coronavac apresentou até o momento”, afirma Covas.

A Sinovac testa seu imunizante em 10 países, e foi aprovada para vacinação emergencial no seu país de origem. No Brasil, 5.600 dos 9.000 voluntários em 12 centros de pesquisa de cinco estados e do Distrito Federal já receberam ao menos uma dose da vacina.

Se a Coronavac se provar eficaz, São Paulo irá protocolar na Anvisa, a agência de vigilância sanitária do governo federal, um pedido para liberação emergencial da campanha de vacinação.

Apesar de a vacina ser um trunfo político para Doria, adversário do presidente Jair Bolsonaro e potencial rival em 2022, no governo paulista a avaliação é de que a Anvisa não irá travar o processo de liberação.

Doria estocou Bolsonaro em sua entrevista coletiva. “O negacionismo da pandemia e no meio ambiente agrava as consequências”, afirmou, em relação ao discurso do presidente na véspera nas Nações Unidas.

Os primeiros a serem vacinados serão os profissionais de saúde, segundo o governador.

Um lote de 5 milhões de vacinas chegará da China em outubro. Até dezembro, haverá 6 milhões de doses importadas prontas e outras 40 milhões formuladas a partir de insumos chineses no Butantan, o que cobre toda a população paulista.

“Teremos 60 milhões de doses até 28 de fevereiro, mais que suficiente. Vamos vacinar os brasileiros de São Paulo e, espero, os brasileiros de todo o Brasil”, disse o governador.

Esse volume, disse Covas, será atingido porque foi negociado o adiantamento de 15 milhões das 55 milhões de doses que a Sinovac irá fornecer até maio de 2021.

Depois da vacinação em São Paulo, se o imunizante estiver aprovado, o plano é ofertar a Coronavac para outros estados e até países da região.

A nova fábrica de vacinas do Butantan começará a ser construída no mês que vem, e terá capacidade para produzir 100 milhões de doses anuais.

A distribuição fora de São Paulo pode ocorrer em acordos pontuais ou depender de um arranjo com o governo Bolsonaro. O secretário de Saúde paulista, Jean Gorinchteyn, se encontrou com o ministro Eduardo Pazuello nesta quarta para discutir o fornecimento de 40 milhões de doses para a União.

Bolsonaro já fez críticas à vacina chinesa. Doria, sem citá-lo, disse: “Aqui não discutimos a origem da vacina. Não estamos numa corrida pela vacina, e sim pela vida”. Na sequência, afirmou torcer por “todas as vacinas”.

Ocorre que, além da rixa política que pode atrapalhar o plano, o Ministério da Saúde já tem um contrato para fabricação na Fundação Oswaldo Cruz da vacina inglesa da empresa AstraZeneca e da Universidade de Oxford.

Aí o problema é de outra natureza. A vacina inglesa também está em testes da fase 3, mas houve já duas interrupções nos ensaios devido ao surgimento de efeitos colaterais graves localizados em duas pessoas.

Os testes continuam. A vantagem da Coronavac sobre a inglesa é que ela utiliza uma tecnologia antiga e comprovada para provocar a resposta imune, utilizando o novo coronavírus desativado. É assim que funcionam imunizantes contra a gripe, por exemplo.

Já a inglesa apostou em uma tecnologia nova, na qual material genético do Sars-CoV-2 capazes de estimular a imunidade são transportadas usando um adenovírus que causa gripe em macacos.

Essa técnica é vista como arriscada por um concorrente de ambas as vacinas, o Instituto Gamaleya, da Rússia. Fabricante da vacina Sputnik V, já em produção concomitante a testes, o laboratório usa no seu produto um adenovírus humano para o transporte —algo já feito em um imunizante contra o vírus ebola e em tratamentos para câncer.

Se tudo der certo, São Paulo será um dos primeiros lugares do mundo a ter uma campanha de vacinação. contra a Covid-19, que matou 34 mil paulistas até aqui, o maior contingente dos 137 mil óbitos no país. A China e a Rússia pretendem começar suas campanhas antes do fim do ano.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) adota cautela, afirmando que é preciso ter certeza da segurança e eficácia dos protudos com amplos estudos. E diz que uma imunização global poderá demorar até dois anos, se não mais.

Mais Acessadas da Semana
Mais Acessadas
TOP 10
Confira as 10 mais tocadas dessa semana
áudios
Jornal do Meio Dia - 26.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 26.10.2020
Projeto de pesquisa da Unifimes quer fazer diagnóstico da cadeia láctea da região para melhorar atividade leiteira
Jornal do Meio Dia - 24.10.2020
Cufa de Mineiros realiza hoje a entrega de chips de celular e produtos alimentícios para famílias carentes
Jornal do Meio Dia - 23.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 22.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 22.10.2020
Base da 6ª Companhia do Batalhão Rural de Goiás será inaugurada em Mineiros
Jornal do Meio Dia - 21.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 20.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 19.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 19.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 17.10.2020
Inscrições para CNH Social terminam amanhã em Goiás, presidente do Detran comente o assunto no Jornal do Meio Dia.
Jornal do Meio Dia - 16.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 15.10.2020
Alexandre Garcia
Jornal do Meio Dia - 15.10.2020
Cartório Eleitoral de Mineiros convoca o público para trabalhar de mesário nas Eleições
Jornal do Meio Dia - 14.10.2020
Alexandre Garcia
Anterior Proximo